sexta-feira, 1 de agosto de 2008

"Quem pagará o enterro e as flores se eu me morrer de amores?"

Uma dica ótima: nos últimos anos, os documentaristas brasileiros têm dado um show no que diz respeito à produção cinematográfica no país. Um respiro e um ar de esperança para aqueles que aguardam também biografias dignas de artistas consagrados e figuras marcantes da cultura brasileira. "Vinicius", de 2005, dirigido por Miguel Faria Jr., é uma das maiores jóias dessa nova safra de filmes de não-ficção nacionais. Vale muito uma olhada atenta nesta obra que parte da filmagem de um sarau sobre este que é um dos nossos maiores escritores, Vinicius de Moraes, para narrar a sua trajetória como poeta, cantor e compositor, suas dores e seus amores. Um dos poucos membros da intelectualidade brasileira que efetivamente aproximou-se de um grande público, Vinicius tem sua vida rememorada através de depoimentos de pessoas próximas e outras grandes figuras da cultura brasileira (Ferreira Gullar, Chico Buarque, Caetano Veloso, Antonio Cândido, Tônia Carrero, Maria Bethânia, entre outros), além do resgate em áudio e vídeo de depoimentos do próprio poeta, numa estrutura incomum de documentário que envolve ainda performances musicais gabaritadas (Yamandú Costa, Monica Salmaso, Adriana Calcanhotto, Zeca Pagodinho e outros), misturadas a belas declamações de poesia (dos atores Ricardo Blat e Camila Morgado, também narradores do documentário), além da estrutura documental clássica entremeando as falas e canções. Obrigatório!

Abaixo, uma pequena seleção de alguns dos melhores trechos do filme (clique sobre eles para abrir o link do vídeo no Youtube):

- “Canto de Ossanha” - Vinicius e Baden Powell, informalmente, cantam um clássico de autoria da dupla.

- “Além do Amor” / Vinicius fala sobre a primeira esposa

- “Soneto do Amor Total”, por Maria Bethânia

- Whisky / “Pela Luz dos Olhos Teus”, com Vinicius e Tom Jobim

- Depoimentos sobre Vinícius de Moraes – amizade, felicidade e outras coisinhas

3 comentários:

Nathy Zorzo disse...

Não lembro de ter visto "Se todos fossem iguais a você" no filme.

"Se todos fossem iguais a você
Que maravilha viver
(...)
A beleza de amar
Como o sol
Como a flor, como a luz
Amar sem mentir, nem sofrer
"

Quando escuto ele cantando essa música dá uma paz dentro de mim. É incrível!

Ah, beeeem legal o blog. =D

Luís Fernando disse...

"O amor, o sorriso e a flor..."

Carolina. disse...

Brigada pelos vídeos, Vini!!!